Demorei uma semana para escrevê-lo. E neste preciso momento, estou sentada no meu sofá, em frente a minha árvore de natal iluminada – este ano verdadeira e por uma causa solidária – com o cheirinho de uma vela em modo nostálgico. Não me quero esquecer de nada. Quero contar-vos tudo do dia em que corri uma maratona.

A PREPARAÇÃO

Eram 05:45 quando o despertador tocou. Saltei da cama. A catarina já estava levantada e a Inês dormia. Por incrível que pareça não me sentia nervosa. Tinha a roupa preparada de véspera – top, calções, meias, ultraboost 19, flipbelt, géis, phones – nada de novo. Todo o material já tinha testado em treinos longos, todo ele adidas. Até tinha estampado MAGGY nas costas – falaram-me que o apoio em Valência era louco e eu não vou desmentir.

O pequeno almoço foi o resto da massa do jantar, uma panqueca feita com uma banana, um ovo e aveia e um café cheio. Levei para comer antes da prova outra banana e o meu pré treino – o pre action – da essential nutrition. Entre comida, casa de banho, mais comida e casa de banho lá conseguimos sair de casa.

A CAMINHO DA PROVA

Era de noite quando saímos mas estava quente, sabíamos que íamos sofrer com o calor ao longo da prova. Os 24 graus do dia anterior não nos deixaram dúvidas. Estávamos a cerca de 15min da cidade das artes e iamo-nos encontrar com os nossos amigos na zona da partida – rzini, Fábio, Fátima – todos eles já super experientes na distância. Todos com objetivos muito diferentes de tempos mas com o mesmo sonho – cruzar a meta da maratona da Valência.✨

A praça onde morávamos já estava cheia de gente… tudo preparado para ir para a partida. Estávamos bem animadas, era o dia D, o dia para a qual nos preparamos nos últimos 4 meses – exceto a catarina que descobriu dois meses antes que vinha connosco – mas para ela que tinha corrido a maratona de Berlim no final de setembro – Valência seria mais numa onda de diversão. E para mim estreante na distância, um excelente apoio e uma ótima companhia. Chegamos à zona da partida por volta das sete e pouco e fomos logo deixar a nossa mochila. Não sabia mas nestas provas bem organizadas e com muita gente – éramos 25 000 corredores 😱😱 – toda a gente tem direito a um saco onde guarda as coisas (roupa, comida, chaves…) para no final ter as suas coisas. Para tal basta dar o número do dorsal. Super fácil, rápido e eficaz porque estava tudo organizado por números e não havia filas em lado nenhum – exceto nas casas de banho, claro. Mas isso é um clássico e embora a prova tivesse várias e bem distribuídas, uma pessoa tem dúvidas até à última hora…

A PROVA

A primeira saída era às 08:30. Eu e a inês saíamos na seguinte – 08:45. Já nas boxes de saída, esperamos pelo toque de saída e com os nervos à flor da pele pensei em todo o trabalho que tive até lá, todo o esforço que coloquei em cada treino, e na coragem que tive para chegar onde cheguei. Dei a mão a inês, olhei para o céu e lá fui eu…

(continua…)